Moschino Resort 2020

A influência “fantasiosa” do Halloween

A fantasia é um elemento importantíssimo do tradicional Dia Das Bruxas e que também serve de inspiração para a industria moda.

Looks inspirados nas gêmeas do filme “O Iluminado” (1980) da coleção resort da marca MOSCHINO, 2019.

Dia 31 de outubro é comemorado no mundo o Halloween, mais conhecido como Dia das Bruxas nas terras tupiniquins. Esta data é normalmente mais celebrada em países anglo-saxônicos, especialmente nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Irlanda.  

A data comemorativa nasceu a partir das raízes das religiões pagãs e cristãs. Se acreditava que este dia era marcado pelo “afastamento de maus espíritos ou pela reconciliação com a morte”. Desde sua criação, o Halloween passou por diversas mudanças, principalmente no tom divertido que a festa possui atualmente. Antigamente, a data estava ligada a um sentido mais mórbido e sério, como conta Lesley Bannatyne a CNN, autora que escreveu diversos livros sobre a história do Halloween: 

“Antes de evoluir para a festa familiar e amigável que conhecemos hoje, o dia 31 de outubro estava profundamente ligado a fantasmas e superstições. Ele era visto como um dia anormal, quando você poderia agir fora das normas da sociedade” 

Esta visão antiga mais assustadora pode ser confirmada pelas fantasias utilizadas há anos atrás, principalmente nas décadas de 1920 e 1930, por habitantes dos Estados Unidos. Naquela época as fantasias abraçavam o lado mais pagão e sombrio da data, buscando assim retratar um clima mais sinistro. Além disso, o anonimato era também uma grande parte da celebração, o que fazia as pessoas utilizarem disfarces completos. 

Três crianças se preparam para a noite de Halloween em Ohio, EUA, 1929.

Se antes o Halloween era visto como uma data macabra, hoje em dia a festa já aderiu novos tons, principalmente pelas influências da cultura pop. Por estar relacionado ao uso de fantasia, o Halloween se tornou o dia perfeito para o exibicionismo, perdendo assim as raízes de ser uma ocasião de total disfarce. Podemos observar isso na atualidade pelas contas dos famosos nas redes sociais. Quando chega o dia 31 de outubro, é impossível não se deparar com as megas produções feitas por celebridades. Este efeito é também um reflexo de como o Halloween é um influenciador direito na moda.

Esta transição de uma data mais sombria para uma ocasião de alta expressividade (e até mesmo ostentação) é retratada, de maneira cômica, no filme Meninas Malvadas (2004). No longa, a personagem principal Cade, interpretada por Lindsay Lohan, acaba que por enxergar o ato de se fantasiar no Halloween como uma ocasião para se vestir de uma forma extremamente assustadora, enquanto suas amigas enxergam a data como uma forma de aderir a fantasias mais sexys e influenciadas por ícones da cultura pop, como a mulher gato. Este fato se deve pela personagem Cade ter passado grande parte da sua vida vivendo na África, longe do acesso à cultura norte-americana. 

Contudo, não é apenas no uso de fantasias que observamos as influências do Halloween no meio da moda. Em desfiles, editoriais, eventos e até mesmo no ramo das maquiagens podemos ver o quanto a data se tornou uma grande referência para artistas, estilistas, maquiadores e muitos outros profissionais nos últimos anos. 

É hora do Horror: Top 4 influências recentes do Halloween na Moda 

1 – MOSCHINO – Coleção Resort 2019/2020

Inspirada em filmes de terror e personagens clássicos da data, a marca high-fashion Moschino, do estilista Jeremy Scott, impressionou a todos no ano de 2019 com uma coleção divertida, extravagante e assustadora. O desfile ocorreu próximo dos estúdios da Universal e referenciou ícones de contos e filmes, como Frankenstein, Carrie – a estranha, Pânico, O iluminado e muitos outros. 

2 – Tutorial de maquiagem do VOLDERMORT por GLAM&GORE E JEFFREE STAR

O icônico (e controverso) maquiador Jeffree Star, dono de uma das empresas de cosméticos mais famosas da atualidade (Jeffree Star Cosmetics) produziu no ano de 2018 um tutorial inesquecível em parceria com a maquiadora GLAM&GORE. Tornar-se o Voldemort foi uma perfeita maneira de brincar com um símbolo da cultura pop e relacioná-lo com a imagem de vilão muitas vezes colocada sobre Jeffree nas redes sociais. Este tutorial é também um marco de como a maquiagem é um ramo extremamente influenciado pelo Dia das Bruxas. 

3 – Casamento Sombrio – Tema de desfile de Rupauls Drag Race

A última temporada de Rupauls Drag Race trouxe um tema icônico para o desfile do episódio 8 da 12 Temporada. Nomeado de Black Wedding ou Black Widow (em tradução livre: casamento sombrio ou viúva negra), o desfile impressionou pela versatilidade das drags competidoras e pelas múltiplas interpretações do que seria uma noiva aterrorizante ou tenebrosa. Halloween é uma data que está totalmente relacionada a arte drag, principalmente pelo fato de uma drag ser um personagem, uma fantasia. 

4 – O Halloween invade o Brasil – 2019

Não é apenas em países anglo-saxônicos que a influência do Halloween se estende. No Brasil, algumas celebridades chamaram a atenção por usar diversas fantasias de referências da cultura pop no Dia das Bruxas. Anitta e Sabrina Sato impressionaram nas redes sociais após postarem looks super produzidos. Anitta se inspirou em Elvira, a rainha trevas e ícone do glamour e terror nos Estados Unidos. Já Sabrina apostou em um look que referenciou a ópera de Pagliacci em um tom sombrio e pitoresco.

Referências:

“Vem ver as melhores fantasias do Halloween Brasileiro”, Lucas Machado, Terra, 2019.

“From pagan spirits to Wonder Woman: A brief history of the Halloween Costume”, Marianna Cerini, CNN, 2020.

“A história do Halloween (O Dia das Bruxas)”, Moda de Subculturas, 2009.

“Halloween´s influence on Fashion”, Alice Barnett, CUB Magazine, 2016.

Is Halloween becoming more about beauty than fashion?”, Charlie Brinkhurst-Cuff, Dazed Beauty, 2018.

“Moschino Resort 2020 – Coverage Collection”, Nick Remsen, Vogue, 2019.

b585c8957db8ebb9b874d864d95b100f-2

O ininterrupto circuito das tendências de moda

Às tendências oferecem uma maneira de compreendermos os desejos e comportamentos de nossa sociedade

O vestidinho preto: um clássico que até hoje passa por releituras.
Versace – primavera/verão 2019

A moda é uma constante onda de ciclos, um vai e vem eterno de tendências e modismos. Este processo ininterrupto é apenas um reflexo das nossas interações sociais a partir do vestuário. Afinal, se vestir é um ato político que praticamos todos os dias e que define os nossos desejos, vontades e identidade. 

O ciclo da moda é basicamente a cadeia produtiva que faz esse mercado girar. São os processos criativo e de produção, desde o momento em que uma ideia é concebida até a comercialização e utilização pelo consumidor final.

Dentro desse imenso escopo dos ciclos de moda estão as tendências. Elas são também uma forma de interação social, mas focadas em traduzir os desejos e vontades de qualquer indivíduo em diferentes contextos sociais.  Quando falamos de tendências, nos referimos a comportamentos, estes que podem ser repetidos infinitamente e que também explicam o fato das tendências transitarem entre ciclos. 

Podemos tomar como exemplo alguns dos looks do último desfile da marca Balmain na recente PFW Spring/Summer 21  (Paris Fashion Week Primavera/Verão Edição 21 – uma das semanas de moda mais importantes do circuito tradicional). Com um apelo aos anos 80, a maison apostou na década antiga para produzir looks extravagantes e irreverentes. Ombreiras chamativas, exagero de neon, conjuntinhos e muito brilho marcaram um retorno a uma das épocas mais amadas (e odiadas) pelo mundo fashion.

Apelo aos anos 80: Looks da marca Balmain, no último  Paris Fashion Week (S/S21), marcaram por referenciar a década passada

O desfile da Balmain é um exemplo perfeito para entendermos o circuito das tendências e como elas se comportam em meio aos ciclos. Como mostrado nos looks, elementos da década de 80 retornam a atualidade e marcam uma nova releitura sobre a época, criando assim um sentimento nostálgico e saudosista. 

Essa prática de valorização a referências do passado já é algo comum em diversas áreas além da moda. Podemos usar como exemplo a série Stranger Things, estreada em 2016, e inspirada em diversas referências da cultura pop dos anos 80. Este fenômeno de retorno pode ser nomeado de nostalgia precoce. Ele se refere a ciclos existentes em nossa sociedade e que acontecem em intervalos de 20, 30 a 40 anos. A cada novo ciclo buscamos referências em tempos passados e os reinterpretamos a partir de filmes, séries, músicas, tendências de moda e muito mais.

Poster da série Stranger Things (2016)

A psicóloga Catia Gerber, em entrevista para o portal Nova Época, complementa sobre o motivo da nostalgia ser um tema tão forte para a cultura pop: “A nostalgia pode servir como um mecanismo de defesa, um porto seguro. Se nos remete ao passado, pode também nos levar a algum lugar que faça com que o momento atual seja menos doloroso”

Dadas as circunstâncias contemporâneas, principalmente pela crise mundial do COVID -19, a volta a referências do passado, como no caso do desfile da Balmain, se mostra como uma válvula de escape as vivências do cotidiano atual. 

Classificando as Tendências 

Para entender o ciclo de vida das tendências e de que maneira elas impactam na sociedade, estudiosos e pesquisadores do ramo da moda criaram terminologias que nos ajudam a compreendê-las mais facilmente. Dentre as classificações encontramos: 

Modismo: Pode também ser chamado de microtendência, pois tem vida curta. São desejos de consumo efémeros, geralmente alavancados por referências do momento – um filme, uma série, um personagem, uma novela e, em tempos de era digital, até mesmo um influencer. O modismo é uma tendência muito apreciada pelos varejistas, já que atinge, em curto prazo, um pico de consumo, gerando uma boa margem de lucro. 

Podemos citar como exemplo de modismo duas tendências lançadas por novelas da Globo. Uma delas foi o anel usado pela Jade, protagonista da novela O Clone (2001). Outra foi da novela de 1978, Dancing Days, em que meias lurex com sandálias de salto alto viraram febre. 

Clássico: É também chamado de macrotendência, já que sua influência é duradoura: afinal um clássico nunca morre. O clássico é um estilo que não muda por conta das tendências, podendo ser alvo de releituras, mas nunca perdendo a sua essência. 

Como exemplo temos o icônico Black Givenchy Dress, em tradução livre: o tubinho preto, imortalizado por Audrey Hepburn no filme Breakfast At Tiffany’s (Bonequinha de Luxo).  Outro clássico é a estampa xadrez da grife Burberry, que até hoje é um símbolo de identidade da marca. 

Moda: Todas as tendências que não são efêmeras como o modismo ou eternas como o clássico, podem ser classificadas como moda. Estes são produtos que normalmente possuem um ciclo de vida mais longo e estão associados a estações ou lançamentos em semanas de moda. A velocidade de ascensão e queda desta tendência costumam ser parecidas, marcando assim um ciclo mais equilibrado. 

De exemplo, podemos citar as pochetes que fizeram um estouro no meio high-fashion há alguns anos atrás, principalmente nas semanas de moda de 2017 e 2018. Porém, na atualidade, este estilo de bolsa já se encontra em desuso. Contudo, ainda existem adeptos que incorporaram o acessório a seu estilo pessoal. 

Modelo curve uma nova categoria na moda

MODELO CURVE

Conheça essa nova categoria do mundo da moda.

O termo curve vem de curvas, ou seja, modelos curvilíneas.
 
Esse tipo de modelagem caracteriza mulheres brasileiras, assim como nos Estados Unidos e Europa.
O assunto vem gerando muitas polêmicas e está fazendo grande sucesso nas redes sociais.
 
 Embora muitos confundam o padrão “Curve” com o “Plus Size”, saiba que ambos são muito diferentes, pois essa nova categoria não faz distinção de tamanho e sim de tipo de corpo.
 
Esse tipo de modelagem atende as mulheres que possuem pernas grossas, bumbum avantajado, cintura afunilada e seios grandes, a famosa mulher corpo “violão”.
 
O tamanho das roupas para as modelos curves são designados por P/M/G/GG/EG (S/M/L/XL/XXL) ou por tamanho com numeração ímpar, pois em vez de 36, 38, 40 se usa 37, 39, 41, etc. Geralmente as peças para este manequim contém elásticos, lycra, cintos dentre outros acessórios que servem  perfeitamente para marcar as famosas curvas do corpo.
 
Uma característica muito similar entre esses dois padrões de mulheres são as roupas largas, deixando um aspecto mais à vontade e ao mesmo tempo trazendo estilo e ao mesmo tempo um conceito descolado.

Em Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS) a Lux Models – Produtora de Modelos prepara e desenvolve todos os perfis para a carreira de modelo e divulga os new faces para diversas agências de modelo e empresas de mídia.

Visite nosso site para saber mais: www.luxmodels.com.br